QUEM FOI FRANÇOISE DOLTO

Françoise Dolto foi uma psicanalista francesa que deixou seu rico legado sobre as crianças em seu tempo, ao vê-las enquanto pequenos seres humanos merecedores de atenção e escuta. Foi entre 1976 e 1978 que Dolto inaugurou-se em programas na radio francesa, onde popularizou seu conhecimento teórico ao responder cartas de pais acerca de vários temas e dúvidas. Obteve grande sucesso ao demonstrar-se de maneira inovadora a respeito de questões arraigadas no conservadorismo de sua época. A partir desses feitos alcançou muitos pais e educadores, que ao seguirem seus ensinamentos diziam estar “doltoizando” ou agindo “à Dolto” (1990).
Uma vez que a educação de crianças não amparava seu sofrimento psíquico, Dolto tornou-se pediatra, na busca de contribuir e dar atenção para tal sofrimento, por meio da compreensão dos afetos. Para ela, o fundamental era compreender o desejo singular na história de cada criança, dado que era sobre este que se constituía seu desenvolvimento.
Em uma de suas celebres frases, ao marcar que “O ser humano não é um objeto para se conformar ao desejo dos outros”, Dolto mostra que se preocupou com o desejo de autonomia e a ética nas relações humanas, valorizando a singularidade e a comunicação. Afirmava que a criança, antes de estabelecer uma linguagem verdadeira e verbal, já era capaz de se comunicar através do corpo.
Em 1953, em meio a uma crise na Sociedade Psicanalítica de Paris (SPP), Dolto junta-se a Jacques Lacan com um grupo de estudiosos e analistas, e fundam a Sociedade Francesa de Psicanálise (SFP), anos mais tarde, em 1963, admitida pela Associação Internacional de Psicanálise (IPA).

Nascida em 1908 em Paris – ela que foi uma das pioneiras ao falar em psicanálise de crianças – desenvolveu significativa e instigante experiência clínica e foi reconhecida pelo êxito do seu trabalho. Dolto, que viveu até 1988, revolucionou a forma como as crianças eram vistas, cuidadas e especialmente escutadas, fazendo com que sua obra e influência permaneçam presente até os dias atuais na vida daqueles que pensam sobre os pequenos e, principalmente, sobre o ser humano!

Autora: Marília Altomare, membro associado do ESIPP.