QUEM FOI ESTHER BICK

Importante psicanalista que desenvolveu o Método de Observação de Bebês. Ela nasceu em 4 julho de 1902, em Przemyśl, município da Polônia e faleceu em 1983 em Londres. Esther Bick foi a filha mais velha de uma prole de três irmãos e seus pais eram judeus ortodoxos. Aos 7 anos, foi encaminhada para casa de sua tia em Praga para auxiliar a mesma com os cuidados de um bebê, ficando lá até os 12 anos, quando retornou para sua casa.
Esther trabalhou como professora em creche e posteriormente foi para Viena estudar Psicologia com Charlotte Buhler que, na época, pesquisava o desenvolvimento do bebê através de um projeto na abordagem behaviorista de observação experimental de gêmeos jovens. Apesar de Esther sentir um certo desconforto nesta abordagem, concluiu seu doutorado em 1935 e após, casou-se com o médico Phillip Bick.
Em 1947, já em Londres, Esther iniciou sua formação no Instituto de Psicanálise, com Melanie Klein, tornando-se sua discípula. Em 1948, ela já era considerada uma especialista em análise de crianças e acabou recebendo o convite de John Bowlby para trabalhar na Clínica Tavistock, onde implementou seus seminários de Observação de Bebês e introduziu seu método no Núcleo de Formação de Psicoterapeutas de Crianças. Esther Bick acreditava que era necessário saber observar para ser psicanalista.
Ela foi pioneira no método psicanalítico de observação de bebês, que inicialmente teve como objetivo proporcionar ao observador, psicanalistas e psicoterapeutas infantis uma experiência prática com bebês que ocorreria ao observarem, semanalmente, o desenvolvimento de um bebê desde o nascimento até os dois anos de idade. A observação deveria ocorrer no ambiente familiar, acompanhando a origem e a maneira como se estabelece a relação do bebê com sua família.

A partir das experiências de observação, Esther pode descobrir a potência de seu método para a formação analítica, tanto para a ampliação interna da capacidade receptiva e continente do observador, quanto para a expansão do interesse e compreensão dos fenômenos psíquicos primitivos. Mais tarde, sua metodologia de observação revelou-se uma esplêndida ferramenta na criação da teoria do desenvolvimento emocional primitivo, além de alguns conceitos psicanalíticos como identidade adesiva, segunda pele, bidimensionalidade.
Tais conceitos muito têm contribuído para a compreensão de patologias graves como psicose e autismo, bem como para a prevenção e intervenção precoce. O Método Bick de Observação, assim denominado na atualidade, tem sido utilizado em diferentes contextos seja como instrumento de formação de analistas e psicoterapeutas por diferentes instituições psicanalíticas, para pesquisas ou como método de intervenção clínica e segue se difundindo pelos cinco continentes.

Colaboração: Vanessa Resende, membro associado do ESIPP.