QUEM FOI ERIK ERIKSON

Erik Erikson nasceu em 1902 em Frankfurt, Alemanha. Durante sua infância teve precoces crises de identidade por não se identificar nem com suas raízes nórdicas (origem materna), nem com suas raízes judaicas (origem do padrasto).

Ainda jovem, interessou-se por artes e estudou esse tema, viajando por toda a Europa. Em 1927 foi convidado por um amigo para ser tutor de crianças em Viena, ocasião na qual conheceu Anna Freud. Ao observar suas distintas habilidades com crianças, Anna Freud o convidou para estudar psicanálise e para ser seu paciente.

Após completar sua análise, seu treinamento psicoanalítico e se casar, Erikson mudou-se para os Estados Unidos, fugindo do nazismo, aonde deu continuidade à sua clínica psicanalítica infantil. Sua experiência pessoal e clínica o levou a expandir e elaborar a teoria de psicodesenvolvimento de Freud, enfatizando o caráter vitalício de desenvolvimento do ego, assim como atribuindo um peso maior a influências sociais.

Sua teoria de desenvolvimento postula que cada fase da vida apresenta um conflito a enfrentar e resolver, de forma positiva ou negativa. As crises devem ser satisfatoriamente resolvidas para que o ego possa se desenvolver de maneira saudável. Erikson teorizou 8 fases psicossociais, expostas em seu livro de maior repercussão : Infância e Sociedade. , Rio de Janeiro: Zahar editores, 1987:

1. confiança X desconfiança (primeiro ano),
2. autonomia X vergonha e dúvida (2-3 anos),
3. iniciativa X culpa (3-5 anos),
4. diligência X inferioridade (6 anos à puberdade),
5. identidade X confusão de papel (adolescência),
6. intimidade X isolamento (inicio da vida adulta),
7. generatividade X auto-absorção (meia-idade), e
8. integridade X desesperança (idade adulta avançada).

Tendo em mente esses conflitos a serem resolvidos em diferentes etapas da vida, cunhou a expressão “crise de identidade”. Erikson faleceu em 1994, nos EUA.

Autora: Luiza Feijó Knijnik, membro associado do ESIPP.