“PSICÓLOGO É AQUELE QUE FICA”

O que faz um psicólogo?
O que sente um psicólogo?
Será que ele mora dentro do seu consultório?

Às vezes parece um amigo:
me escuta sem julgamentos, se coloca ao meu lado, faça chuva ou faça sol.

Tem dias que parece com uma mãe:
me acolhe com seu olhar, me abraça com suas palavras e percebe coisas que eu ainda não sei bem como dizer; nomeia meu corpo, confirma minha existência, sabe antes de mim e junto comigo, e com seu auxílio, sinto que posso contar e re-escrever minha história.

Teve um dia que apenas com seu olhar e um breve silêncio fez saltar aos olhos minha incoerência, minha dificuldade em enxergar o lugar do outro. Sua presença atenta e cuidadosa me fez pensar em um pai.

Como pode uma pessoa só ter em si todas as pessoas do (meu) mundo?

Será que psicólogo tem mundo próprio?

Ele existe longe de mim? Tem amigos, mãe, pai, irmãos? Sente, chora, sofre?

Tem as respostas de todas as perguntas que eu ainda nem pensei em fazer?

Quem é esse que não viveu todas as experiências de todos os mundos de todas as pessoas de todas as galáxias, mas que se empresta a traduzir línguas ainda nem formadas e criadas e transcritas?

Psicólogo é tradutor.

Quem é esse que vive de escuta, muito mais do que de respostas?
Que às vezes parece usar da telepatia, quando na verdade apenas diz o que eu já disse mil vezes e não (me) escutei. Entra dentro de mim e lê meu silêncio, minha angústia, meu atraso, minha falta.

Psicólogo é leitor.

Quem é este que por vezes frusta, que não sabe sobre tudo, mas sobretudo, deseja saber a respeito daquilo que é mais importante e singular para cada um que lhe procura?

Psicólogo é aquele que está ali, mesmo quando não conseguimos estar.
É presença constante e interna. É firmeza e delicadeza.

Psicólogo é aquele que fica, para sempre, na nossa memória.

Autora: Luana Francisco, Membro Associado do ESIPP.

Um abraço do ESIPP e do núcleo social para todos os psicólogos!