164 ANOS DE SIGMUND FREUD

Em seis de maio de 1856 nascia Sigmund Schlomo Freud, criador da Psicanálise.
Não é exagero afirmar que ele é um dos maiores nomes de nosso tempo, fazendo jus às previsões realizadas quando ele ainda era uma criança: de que seria um grande homem.

Sua vida foi marcada por polêmicas que perduram até hoje. Roudinesco, em seu livro Sigmund Freud: na sua época e em nosso tempo – recomendo a leitura – nos revela um Freud sempre inclinado a formulações radicais, disposto a defender suas posições, mesmo que extremas, e arcar com as consequências dessa atitude, o que envolvia grandes rupturas em seus relacionamentos.
Desde seus estudos mais remotos, assumiu o compromisso de nos apresentar um lado obscuro e desconhecido no ser humano: o seu inconsciente. Com isso, inaugura uma nova forma de pensar a civilização, apontando – depois de Copérnico e Darwin – a terceira grande ferida narcísica sofrida pelo homem: que não é senhor nem em sua própria casa, sendo regido por forças que desconhece.

Não bastasse, para nós, psicoterapeutas e analistas, deixou um legado incomparável – teórico e técnico. Se sua história de vida em muito influenciou sua teoria, sem sombra de dúvidas sua teoria contribui para que, cada vez mais, os pacientes possam, junto conosco, ressignificar suas histórias passadas – que não deixam de ser atuais – para quem sabe, escrever, eles mesmos, uma nova história.

Autora: Franciele Michelon, membro associado do ESIPP.