125 ANOS ANNA FREUD

Anna Freud foi a mais nova dos seis filhos de Freud. Não foi uma filha planejada, ela própria escreveu que não teria nascido se existisse um método seguro de contracepção disponível aos seus pais na época. O ano de nascimento de Anna (1895) foi também o do nascimento da psicanálise e, curiosamente, Anna foi a única filha a seguir os passos do pai e tornar-se analista.
Pedagoga de formação, Anna concentrou-se nos problemas comuns da educação a partir dos questionamentos que os pais fazem diariamente, explicitando como se dá o desenvolvimento normal do indivíduo, estudando o comportamento das crianças e sua repercussão na vida adulta. Suas ideias buscavam seguir a linha de raciocínio de seu pai, somadas a uma revisão da posição teórica ortodoxa de Freud. Ela aplicou a terapia psicanalítica a crianças, observou e tratou crianças vítimas da guerra e do holocausto, e defendeu a observação direta dos bebês, dando ênfase à relação mãe-bebê.
É comum falarmos de mecanismos de defesa freudianos, mas na realidade foi no trabalho de Anna Freud (O ego e os mecanismos de defesa, 1936) que ela desenvolveu e esclareceu as concepções de Freud sobre o uso dos mecanismos de defesa para proteger o ego das ansiedades. Com um estilo de escrita mais didático, ela conseguiu definir com maior clareza essas concepções, utilizando também exemplos com base em sua análise de crianças.
Anna Freud abriu uma clínica em Londres, na casa ao lado da que Freud faleceu. Lá também funcionou um centro de formação psicanalítica, onde muitos psicólogos clínicos americanos estudaram. Ela foi uma das líderes do movimento da Psicologia do Ego, que tornou-se a principal forma americana de psicanálise entre as décadas de 1940 e 1970. Os membros desse movimento empenharam-se para tornar a psicanálise parte da Psicologia científica, simplificando, definindo e traduzindo em termos operacionais, noções freudianas, e estimulando a investigação experimental de hipóteses psicanalíticas, com grandes contribuições também à técnica da psicoterapia psicanalítica.
Anna Freud morreu aos 86 anos em 09 de outubro de 1982 em Londres.

Colaboração: Letícia Wilke Franco Martins, membro associado do ESIPP